O câncer na pauta das eleições municipais de 2024

Foto: Natacha Gastal | IGCC

O Instituto de Governança e Controle do Câncer (IGCC) promoveu, no dia 15 de dezembro, uma reunião de alto nível com participação de várias lideranças de saúde, organizações da sociedade civil, sociedades médicas e empresas.

O “Fórum Câncer no Foco das Eleições” ocorreu em São Paulo (SP), das 9h às 12h, e marcou o início de uma série de iniciativas que serão realizadas ao longo de 2024 com o objetivo de articular uma rede de organizações que possa fortalecer a agenda dos futuros candidatos às prefeituras com o tema do enfrentamento ao câncer, incluindo a promoção de assinaturas de termos de compromisso durante o período eleitoral.

O IGCC entende que as eleições municipais que teremos em 2024 se configuram em uma oportunidade única de mobilizar os candidatos e candidatas a pensarem e se comprometerem com o câncer em suas agendas”, pontuou Maira Caleffi, presidente do Conselho de Administração do Instituto, durante a abertura do evento.

Maira ainda ressaltou a importância do trabalho coordenado, que une governos, secretarias, organizações e empresas. 

Temos que trabalhar mais integrados com os governos locais para que a mudança que buscamos seja concreta. Temos que falar com aquelas pessoas que ainda não conhecem a realidade do câncer. Enquanto organizações da sociedade, nós já temos voz, mas precisamos ter ouvidos atentos”, comenta a médica.

Roberto Gil, diretor-geral do Instituto Nacional de Câncer (INCA), participou do primeiro painel e relembrou que a doença é a primeira ou segunda causa de morte na maioria das cidades no mundo. 

Isso só traz a relevância do que estamos discutindo aqui. Discutir política quando teremos eleições municipais é fundamental. O câncer é um processo e 90% dos casos ocorre a partir de fatores externos e de risco. Isso dá uma janela de oportunidades para interferir justamente nesses fatores, e políticas públicas podem ser feitas para minimizar esses riscos”, ressalta o diretor do INCA.

A primeira conversa também contou com a participação de Aline Creder, da Secretaria de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da Saúde, que trouxe um olhar sobre a potencialidade do município em articular redes.

Esta é uma oportunidade incrível de levarmos as questões aos futuros gestores. Ser gestor na saúde é um desafio em todas as esferas, por isso, é importante a mobilização dos atores locais em processos de educação na área. Precisamos pensar em como garantir a integralidade do cuidado às pessoas com câncer, em quais são as parcerias e ações articuladas que ajudarão nesse processo”, enfatiza Aline.

O último painel do Fórum direcionou o foco aos governantes e sobre a governança das cidades. Dario Saadi, prefeito de Campinas e vice-presidente de saúde da Frente Nacional de Prefeitas e Prefeitos (FNP), deu destaque para importância de rever o financiamento em saúde.

É no município que deve ser feita a gestão, e ele precisa ser mais eficiente. Por isso, a população e instituições devem estar atentas com o compromisso dos governantes em destinar da melhor forma possível os recursos para a saúde, a sociedade tem que estar atenta ao compromisso do aumento do financiamento da saúde”, reforça Dario.

Fernando Ritter, secretário de saúde de Porto Alegre, comentou a visão de quem trabalha justamente ao lado da Prefeitura e em conjunto com organizações da sociedade civil na busca por aprimorar o acesso e a acessibilidade à saúde para a sociedade.

Assinar compromissos é um dever de quem se candidata a um cargo publico. E precisamos trazer a participação social de forma ténica pois a política é pública e de interesse coletivo. Digo que sou otimista, pois acredito que através do diálogo e das parcerias é que a gente constrói um SUS melhor”, finaliza Ritter.

A presidente do IGCC fez o encerramento do evento e comentou com emoção sobre o início desta grande mobilização conjunta para o próximo ano. “Estou ansiosa e animada com este primeiro passo. Um passo que unirá muitos caminhos desta caminhada para que nosso sistema de saúde seja uma engrenagem completa e eficiente para salvar vidas”, realçou Maira.

A reunião ainda contou com a presença Zuleica Goulart, coordenadora do Programa Cidades Sustentáveis e da jornalista Natalia Cuminale, fundadora do Futuro da Saúde, que fez a mediação do evento.

O encontro aconteceu de forma híbrida, presencial na capital paulista e com transmissão ao vivo pelo Zoom. Em breve será disponibilizado o link com a gravação dos painéis.

Aproveitamos a oportunidade para agradecer aos parceiros do IGCC, pelo apoio institucional ao enfrentamento ao câncer no Brasil, em especial à AstraZeneca e à Roche por apoiarem a realização do Fórum.